Arquivo | 14:21

Escola de Futebol

20 set

Botafogo lança pedra fundamental de projeto para as divisões de base

Escola de Futebol: o futuro do Botafogo (AGIF / BFR)
Escola de Futebol: o futuro do Botafogo (AGIF / BFR)

Mais do que um Centro de Treinamento, uma Escola de Futebol. O Botafogo deu nesta quinta-feira um passo decisivo para o seu futuro ao lançar a pedra fundamental em Marechal Hermes. Com previsão de lançamento para o início de 2014, o local será casa das divisões de base do clube, propiciando aos jovens valores uma formação cultural e esportiva toda ligada ao Glorioso. Além de uma ótima estrutura, com campos, vestiários, sala de musculação, alojamento, refeitório e até uma escola à disposição.

Gerente-geral da base, Ney Souto fez as honras da casa e destacou a importância do projeto, passando a palavra para Sidnei Loureiro, atual supervisor de futebol e gerente-geral da base durante três anos e meio.

“Este é um dia muito esperado por todos da diretoria. Iniciamos no dia 6 de janeiro de 2009, lembro o primeiro dia de trabalho. Chegamos às 7h, saímos às 23h. Após cinco anos na Espanha, voltar ao Brasil e encarar esse projeto de reestruturação não foi fácil. Para conseguir chegar ao dia de hoje, com a certeza de que, em um ano e meio, vamos poder realizar a inauguração, foi graças ao empenho e amor de todos que trabalharam aqui reestruturando as categorias de base. Já podemos ver o trabalhando dando resultados. É com muita alegria que vemos jovens jogando pelo profissional, honrando a camisa do Botafogo, se dedicando e ganhando elogios”, enalteceu Sidnei Loureiro.

O maior agradecimento, porém, foi a Mauricio Assumpção. Convidado ao palco, o presidente iniciou sua apresentação destacando o apoio de todo o Conselho Diretor e de colaboradores. Marcaram presença vices-presidentes, diretores, representantes da base e funcionários. 

“Não é trabalho de uma única pessoa, é de uma diretoria que entendeu o caminho para o Botafogo voltar a ser grande e glorioso. O Botafogo esqueceu a divisão de base durante muito tempo, uma história gloriosa de campeões pelo clube e pela Seleção. Essa diretoria resgatou. Se for olhar qualquer clube vencedor no mundo, tem história na base. Hoje quando vemos Dória, Gabriel, Jadson, Cidinho, Gilberto, Sassá, entre outros, muitos acham que isso começou ontem e hoje buscamos os frutos. Na verdade, começamos em 2009, estamos colhendo até antes do que pensávamos. O Botafogo não pode mais se permitir esquecer suas divisões de base. Este é um trabalho de um grupo de botafoguenses que entendeu que esse sempre será o grande caminho de vitórias e de um futuro glorioso, formando na nossa casa os nossos valores. Deixo meu muito obrigado também a pessoas que sempre nos ajudaram e pedem para não terem seus nomes divulgados”, agradeceu o presidente.

Após exibir um vídeo de apresentação da Escola de Futebol, Mauricio Assumpção convocou os atletas dos juniores Dedé, Sidney, Octávio, Vinicius, Gegê e Vitinho, além do lateral-direito Diego, do juvenil, recentemente convocado para a Seleção Brasileira sub-17.

No palco, o presidente apresentou cada um dos atletas, que tiveram a oportunidade de contar sua história no Botafogo.

“Vim para o Botafogo em 2005 através de um amigo. Desenvolvi o trabalho, as coisas aconteceram bem rápido, joguei nas seleções sub-13, sub-15 e sub-17. Com a mudança de diretoria, o clube todo demonstra que mudou. É uma alegria ter participado desse crescimento da base”, comentou Dedé, autor de um golaço na vitória dos juniores por 2 a 1 sobre o São Cristóvão na Taça Octávio Pinto Guimarães.

“Posso jogar no profissional e acho que não vai demorar se eu continuar trabalhando. A estrutura que me deram vai me dar essa oportunidade”, disse Gegê, resumindo o sentimento dos jogadores da base.

Antes de encerrar a apresentação, Mauricio Assumpção convidou ao palco novamente Sidnei Loureiro. Com uma conversa, sintetizada abaixo, os dois esclareceram todos os pontos referentes à Escola de Futebol.

Mauricio Assumpção: “Muitos perguntam por que Marechal Hermes? Não é longe, distante, fora do contexto para um Centro de Treinamento? É o que argumentam…”

Sidnei Loureiro: “Vimos que não podia haver melhor lugar. O Fluminense tem Xerém, o Flamengo, Vargem Grande e o Vasco, Itaguaí. Aqui, no meio da Vila Militar, com segurança, estação de trem, linhas de ônibus e no subúrbio, com potenciais atletas, é o melhor lugar para o Botafogo.”

Mauricio Assumpção: “Ou seja, Marechal Hermes não foi falta de opção, foi uma opção nossa. E por que Escola de Futebol? Qual a diferença para um centro de treinamento?”

Sidnei Loureiro: “A tendência para o novo futebol é que às questões tática, técnica e física todos os clubes tenham acesso, tornando o futebol nivelado. Por formação melhor, como ser humano, lado cognitivo, lado emocional e inteligência, a Escola de Futebol abrange todas essas questões. Teremos uma escola dentro do projeto, o atleta chega de manhã e só vai embora à tarde. Estuda, faz as refeições e treina.”

Mauricio Assumpção: “E a escola não vai ficar restrita às disciplinas normais, teremos aulas de reforço e laboratório técnico. O Botafogo terá preocupação de, se o garoto não vingar como jogador de futebol, ter formação profissional adicional. Sidnei, há novas questões referentes a Lei Pelé, certo?”

Sidnei Loureiro: “Com a nova Lei Pelé, nenhum atleta com menos de 14 anos pode ser federado por um clube. O campeonato de mirim, hoje, é organizado pelos clubes. A partir dos 14 anos, poderá fazer contrato de formação. Se sair antes dos 16, é necessário uma indenização. A partir dos 16, pode fazer o primeiro contrato profissional.”

Mauricio Assumpção: “O Botafogo segue uma linha de resgatar seu futebol de salão. Vai ter uma quadra para desenvolver as categorias sub-9, sub-11 e sub-13, esta já com adaptação ao campo. A Escola de Futebol vai acolher as categorias do sub-9 ao sub-17. Por que sub-17?”

Sidnei Loureiro: “Ano que vem vamos fazer integração dos juniores com o profissional. Vão trabalhar interligados, como acontece na Europa. O profissional fará a gestão dessas categorias. O Botafogo sai na frente, nenhum clube do Brasil faz isso. Acreditamos que teremos isso formatado e pronto em 2014.”

A Escola de Futebol tem seis etapas: 1 – Projeto de Arquitetura; 2 – Legalização; – Projetos Complementares: Cálculo Estrutural, Projeto Predial e Incêndio; 4 – Demolição; 5 – Limpeza e Preparo do Terreno; 6 – Obra: Fundações, Estruturas, Alvenarias, Coberturas e Acabamentos. Atualmente, o clube superou a primeira etapa e está adiantado nas duas posteriores.

Como encerramento do lançamento de um projeto que representa o futuro do Botafogo, os convidados lançaram a pedra fundamental. E, nada mais, simbólico para a ocasião do que uma bola de futebol. Ao som do hino do clube, o orgulho de ser alvinegro ficou ainda mais forte.

Danilo Santos

%d blogueiros gostam disto: